MESBLA FORTALEZA

MESBLA FORTALEZA
Nosso endereço Rua General Sampaio Nº 1065 Centro, Fone: 231 2000

MESBLA FORTALEZA

MESBLA FORTALEZA
Filial de Fortaleza localizada na Rua General Sampaio nº 1065, FOTO GENTILMENTE CEDIDA PELO PROFESSOR , FOTOGRAFO E HISTORIADOR DE FORTALEZA MIGUEL NIREZ.

MESBLA FORTALEZA

MESBLA FORTALEZA
FOTO GENTILMENTE CEDIDA PELO PROFESSOR NIREZ.

quarta-feira, 15 de agosto de 2007

MESBLA LOJAS DE DEPARTAMENTOS S/A


A Loja do Brasil

terça-feira, 14 de agosto de 2007

MESBLA CARTÕES

Acima cartão Mesbla 5 estrelas, seleto número de clientes que possuiam! 







Espero um dia poder usa-lo novamente!

segunda-feira, 13 de agosto de 2007

MESBLA COMERCIAIS

Comercial: Mesbla Tv Colosso dia das crianças 1994.
Link: http://www.youtube.com/watch?v=iUoab6WZ8oY

Comercial : Mr. & Mrs. Baby.
Link : http://www.youtube.com/watch?v=9lcODsllCdU

Comercial : Natal Mesbla!
Link : http://www.youtube.com/watch?v=j4mIRQsSX6M&mode=related&search

Comercial : Baú Mesbla.
Link : http://www.youtube.com/watch?v=0CdctrqW2VM&mode=related&search

Comercial : Casamento Mesbla.
Link : http://www.youtube.com/watch?v=QXWCQdcmuMM&mode=related&search

Comercial: Mesbla em vários estados do Brasil.
Link: http://www.youtube.com/watch?v=XXBGdIvpQ_Q&feature=related

Comercial: Mesbla mães com Patricia Travassos.
Link: http://www.youtube.com/watch?v=s9nNqsB305s

Comercial: Mesbla Regina Casé fazendo compras da mesbla como se fosse em Miami.
Link: http://www.youtube.com/watch?v=vUeeG1m8S5g

Comercial: Natal Mesbla com pessoas comuns 1ª Parte
Link:http://www.youtube.com/watch?v=dQ1gERoUoJQ&eurl=http://www.almanaquedacomunicacao.com.br/blog/?p=415

Comercial: Natal Mesbla com pessoas comuns 2ª parte
Link:http://www.youtube.com/watch?v=HgkWpx-Wolw&eurl=http://www.almanaquedacomunicacao.com.br/blog/?p=415

Comercial: Natal Mesbla com pessoas comuns 3ª parte
Link:http://www.youtube.com/watch?v=Lkrle6rTcD0&eurl=http://www.almanaquedacomunicacao.com.br/blog/?p=415

domingo, 12 de agosto de 2007

MESBLA CURIOSIDADES

Foto colhida na net, em minhas incansáveis buscas, por imagens relacionadas à Mesbla!
Restaurante Panorâmico:
Foi enviado por Milú do blog "Coisa Lúdica" e publicado por "Carioca da Gema" neste link:http://fotolog.terra.com.br/cartepostale:80
Sacolas:
Sacolas mesbla, lembra muito as datas comemorativas, principalmente o natal em que o centro lotado, e as pessoas passando com as suas compras na maioria sacolas da Mesbla...Saudades!!

-----------------------------

Banner:
Banner com o logomarca Mesbla, loja passeio matriz Rio de Janeiro. (Fonte dessa informação Cristina Clippel ex- funcionária dessa loja)
-----------------------------


Display: copa 1994
-----------------------------




Tablóide:
Este tablóide foi digitalizado por Milú no blog "coisa Lúdica" http://fotolog.terra.com.br/cartepostale:80
-----------------------------


Hardcore:
Revista direcionada ao publico de surf. Edição dezembro 1991, em destaque o campeonato ALTERNATIVA de Surf!
-----------------------------



Cartaz:
propaganda Greynolds vendido na mesbla!
-----------------------------


Brindes:
Distribuição de revistinhas para clientes, se alguem souber o ano desta promoção por favor fazer comentário!
-----------------------------


Troféu Alternativa:
Campeonato de Surf
-----------------------------




LP:
Abreviação de Long Play, cantor Léo Jaime Vendido na Mesbla, na capa tem o logotipo "Exclusividade Mesbla"
-----------------------------
Torre do relógio:
Cinelândia, o maior magazine do Rio, a loja de Mestre et Blatgé, que simplificou seu nome para Mesbla.
-----------------------------



Previsão do Tempo:
Torre Mesbla, na Rua do Passeio, Cinelândia, Rio de Janeiro Não era uma torre comum. Nela, um grande relógio mostrava as horas do dia com uma precisão britânica. Mas o que chamava mesmo a atenção era o seu “sistema visual” que anunciava a previsão do tempo. Às 19 horas, de acordo com informações do Escritório de Meteorologia do Ministério da Agricultura, eram hasteadas bandeirolas cujas cores variavam conforme a previsão válida para as próximas 24 horas podendo, entretanto, haver mudança neste período por conta de uma “frente fria” inesperada... Naquele tempo, aliás, pouco se falava em “frente fria”, mas sim em “frente única”, mais quente... As bandeirinhas podiam ser vistas de grande distância, principalmente dos edifícios comerciais das redondezas, e até mesmo pelas pessoas que transitavam pelas proximidades. À noite, o sistema funcionava diferente, com luz branca (tempo bom), vermelha (instável), negra (ameaçador). Claro que não tinham os recursos que esses serviços de meteorologia têm hoje, com satélites, balões etc, por isso as falhas mais constantes. Mesmo assim a previsão do tempo que estava lá no alto da Torre Mesbla era mesmo a que valia, a hora certa era certa mesmo, uma questão de tradição, credibilidade e respeito, talvez. Ia me esquecendo do principal: os Magazines Mesbla distribuíam cartões aos seus clientes mostrando o que significavam as várias combinações formadas pelas cores das bandeirinhas hasteadas. No verso vinha o calendário do ano. Foi um desses cartões (imagem postada) que encontrei em meio às minhas “relíquias”.
Fonte: Adelino P. Silva - Blogger

*************************************************************

MESBLA HISTÓRIA

Sede da Mestre & Blatge,
firma francesa precursora da "Mesbla" (1912)
História...

O começo
No prédio de numero 83 da rua da Assembléia , no centro da cidade do
Rio de Janeiro, foi instalada em 1912, uma filial da firma Mestre & Blatgé, com sede em Paris e especializada no comércio de máquinas e equipamentos.
A filial brasileira tinha pouca importância dentro da organização
francesa espalhada pelo mundo. Quatro anos depois de sua instalação, sua administração foi entregue ao francês Luiz La Saigne, até então subgerente da filial em Buenos Aires. Em 1924, La Saigne transformou o estabelecimento carioca numa firma autônoma, com o nome de Sociedade Anônima Brasileira Estabelecimentos Mestre et Blatgé, que em 1939 passou a denominar-se Mesbla S.A. A nova denominação era uma combinação das primeiras sílabas do nome original.
A filha de La Saigne casou com
Henrique de Botton. Ele e seu filho André comandaram a expansão da empresa até os anos 80. Na década de 50 a empresa tinha lojas instaladas nas principais capitais do país e em algumas cidades do interior. Nos anos 80 a Mesbla tinha 180 pontos de venda e empregava 28 mil pessoas. Suas lojas de grande porte, com áreas raramente inferiores a 3 mil m², eram pontos de referência nas cidades onde a Mesbla se fazia presente.
Por quase três décadas reinou praticamente sozinha no mercado de varejo, por ser a única empresa do gênero de abrangência nacional. Orgulhavam-se seus funcionários em afirmar que a Mesbla só não vendia caixões funerários, que são para os mortos, para os vivos tinham todas as mercadorias, desde botões até automóveis e lanchas.

Reformulação nos anos 80
No entanto, a expansão da Mesbla se fez com estratégias de mercado que logo se mostraram ultrapassadas. Quando decidiu incrementar a venda de vestuário e roupas de cama e mesa, os artigos eram expostos junto às máquinas e equipamentos, as mercadorias tradicionais da empresa. A mesma mistura desorganizada se via nos catálogos.
Também as compras da empresa junto a fornecedores apresentavam falhas. Por exemplo, tão logo o Brasil reatou relações diplomáticas com a
União Soviética, no governo de João Goulart, a Mesbla importou daquele país grande quantidade de máquinas fotográficas e câmeras de filmar de baixa qualidade. Como as importações não tiveram continuidade, a Mesbla se viu em dificuldades para prestar assistência técnica dos produtos vendidos.
A luz vermelha acendeu em
1981 quando a Mesbla passou do primeiro para o terceiro lugar entre as maiores empresas de varejo do Brasil e começou a enfrentar uma concorrência mais forte . Uma consultoria mercadológica foi contratada e as lojas da Mesbla passaram por uma completa reformulação, com mudanças na decoração das lojas, arrumação das vitrines, uniformes dos vendedores e comunicação dos clientes. Passou também a cuidar melhor da publicidade, apresentando catálogos a cores e anúncios bem cuidados para a televisão. Atraiu os melhores executivos do mercado, oferecendo bons salários.
Além das lojas de departamentos, tinha estabelecimentos próprios para venda de móveis, automóveis, lanchas, além de uma financeira. Atuou também no comercial internacional através de uma empresa subsidiária, que tinha filial em
Nova York. Dentre os vários negócios milionários realizados pela Mesbla Comércio Internacional mereceu destaque até no New York Times a venda de 60 mil caminhões à China, no valor de 900 milhões de dólares. Em 1986, foi escolhida pela revista Exame, especializada em economia e negócios, com a melhor empresa do Brasil.
André De Botton foi consagrado como rei do varejo. Seu nome fazia parte do quarteto que formava a nobreza empresarial dos anos 70 e 80, completado por Octavio Lacombe, do Grupo Paranapanema, Olavo Monteiro de Carvalho, do Monteiro Aranha e Augusto Trajano, da Caemi. Além dos escritórios das grandes corporações e dos gabinetes de ministros e políticos de Brasília, eles circulavam pelas esferas da alta sociedade carioca da época. De Botton foi escolhido por duas vezes, como Varejista Estrangeiro do Ano pela organização americana National Retail Federation.

[editar] Problemas nos anos 90
Apesar dessas mudanças de estratégia, alguns problemas persistiram. A Mesbla tinha 40 diretores, o que tornava as decisões lentas. Ao final do Governo
Sarney, em 1989, a diretoria, acreditando que o país caminhava para uma hiperinflação, começou a estocar mercadorias em excesso e passou a contar basicamente com recursos gerados por sua financeira.
O advento do
Plano Real, com o fim da inflação alta, mostrou as fragilidades da Mesbla e a empresa passou a enfrentar constantes prejuízos, que tentou resolver com fechamento de lojas e dispensa de empregados. Para agravar, tinha que enfrentar a concorrência de lojas de departamento e hipermercados estrangeiros, com facilidade de obter capitais no exterior a juros mais baixos.
As empresas estrangeiras conquistaram a clientela de melhor poder aquisitivo, sempre atenta a novidades, com uma maior variedade de mercadorias e facilidades de crediário, em especial com a criação de cartões de crédito próprios. Quando a Mesbla tentou se igualar aos concorrentes, criando marcas exclusivas de roupa e seu próprio cartão de crédito, já era tarde.
No ano de
1994, já havia fechado várias lojas e reduzido seu quadro para 4.500 funcionários, sem conseguir estancar os prejuízos.

Mansur e o fim
Em
1997, com dívidas superiores a um bilhão de reais pediu concordata. No mesmo ano, o controle acionário da Mesbla foi adquirido pelo empresário Ricardo Mansur, que arrematou 51% das ações por 600 milhões de reais a serem pagos em dez anos, além de assumir a dívida fiscal de 350 milhões de reais da concordatária. Nove meses antes havia comprado as lojas do Mappin, tradicional empresa de varejo paulista. Tinha intenção de fazer a fusão das duas empresas, torná-las rentáveis e revendê-las com lucro.
Empresário polêmico, Mansur, dono de empresas de laticínios de um banco, era conhecido tanto pelo seu estilo agressivo como seu gosto pela ostentação. Mantém uma mansão em
Londres, onde patrocina um time de pólo, para o qual fornece cavalos puro-sangue de sua própria criação. Para satisfazer os desejos de uma filha, encomendou a um conceituado arquiteto paulista uma casa de bonecas, no valor de 300 mil dólares, que instalou em sua fazenda em Indaiatuba.
Na tentativa de salvar a Mesbla e o Mappin, Mansur colocou à frente das empresas o executivo João Paulo Amaral. Mas João Paulo logo se deu conta de estava diante de uma daquelas missões tidas como impossíveis. A falta de dinheiro no caixa era mais grave do que se pensava, os atrasos do pagamento de fornecedores, crônicos. Em seguida, começou uma série de pedidos de falência, além de ameaças de despejo em todos os shoppings onde as lojas exibiam suas marcas.
Mansur tentou usar de seu prestígio junto a políticos e até mesmo da pressão dos funcionários da Mesbla e do Mappin, por meio de passeatas, para conseguir dinheiro do
BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, um banco público. Ao mesmo tempo, buscava algum grupo estrangeiro interessado em adquirir as lojas.
Sua credibilidade, no entanto, começou a ser posta em dúvida quando começou a divulgar informações falsas para concretizar o negócio. Ao mesmo tempo, a administração de seu banco começou a ser investigada e se apuraram práticas fraudulentas, que resultaram em sua liquidação. Por conta dessas práticas, Mansur chegou a ser preso e teve seus bens bloqueados. Um novo pedido de prisão foi feito por sua ex-mulher, a quem não pagava pensão alimentícia.
Diante de tantos problemas, Mansur se desinteressou da sorte da Mesbla e do Mappin. Voou para Londres e não voltou mais ao Brasil. A falência de ambas as empresas foi decretada em julho de
1999 e a última loja da Mesbla a fechar suas portas foi a filial de Niterói no dia 24 de agosto de 1999.
Na mesma época, encerraram suas atividades as Lojas Brasileiras e a G. Aronson, duas empresas varejistas de capital nacional. Desde então, o mercado de varejo é dominado por empresas estrangeiras.

MESBLA EXCLUSIVIDADES






DANIEL HECHTER: Exclusivo de Paris para a mesbla no Brasil!




ALTERNATIVA: Marca exclusiva das lojas mesbla e que marcou uma geração!

MESBLA NOTÍCIAS


A LOJA DO BRASIL

Fonte : Diário da Manhã online 28/06/2007 - quinta-feira.

Link: http://www.diariodamanha.inf.br/ultimas.php?id=5216



Mesbla processa Bradesco e pede R$ 7,9 bilhões
A Mesbla S/A, marca que não desapareceu após a quebra das diversas empresas do Grupo Mesbla, há quase dez anos, entrou com ação na 3ª Vara Empresarial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro requerendo indenização de R$ 7,9 bilhões do Bradesco. O advogado da Mesbla no caso, Wladymir Soares de Brito, sustenta, na ação, que o banco teria sido o principal responsável pela falência do grupo ao protelar, em 1998, a emissão de R$ 420 milhões em debêntures que seriam usadas na reestruturação.
"O Bradesco sempre foi financiador dos negócios do grupo e a emissão das debêntures foi decidida também pelo banco, que tinha dois dos cinco conselheiros da Mesbla. Quando, por fax, o senhor Lázaro Brandão disse: 'Emito, mas vocês vão me pagar o que estão me devendo', deixou de ser sócio, parceiro, bancador da situação, para passar à posição de credor hostil. Sinalizou para o mercado que a Mesbla estava quebrando. Cortou todas as linhas de crédito ao grupo e a seus fornecedores e aí foi uma debandada geral", diz o advogado.
Procurada, a direção do Bradesco informou, por meio de sua assessoria, apenas desconhecer o assunto. A ação da Mesbla foi amparada em acórdão favorável proferido pelo Tribunal de Justiça de São Paulo em outra ação contra o banco movida pelo Grupo Mappin, que havia perdido a causa em primeira instância e recorreu.
Ambas as empresas, Mappin e Mesbla, haviam sido compradas pelo empresário Ricardo Mansur, respectivamente em 1996 e 1997, com o aval do Bradesco. Segundo o advogado Soares de Brito, Mansur e Brandão "tinham participação societária juntos em várias empresas". Ele não soube informar o que teria motivado o desentendimento entre eles. O advogado informa, ainda, que a ação foi fundamentada também em uma decisão da Comissão de Valores Mobiliários que multou o Bradesco em R$ 8,4 milhões por violação legal no processo de emissão de debêntures.
O dinheiro que seria arrecadado com a colocação dos papéis no mercado seria utilizado, segundo ele, em investimentos na ampliação das áreas de vendas do grupo, na reforma estrutural das unidades, atualização tecnológica e capital de giro. Para calcular o valor da indenização pedida à Justiça, ele usou como parâmetro o valor das Lojas Renner, empresa de departamentos com cotação em Bolsa de Valores. "Na época em que quebrou, a Mesbla valia o que hoje corresponderia a dez vezes o valor das Lojas Renner, cotada em R$ 4 bilhões", diz Soares de Brito, informando que Ricardo Mansur, dono da marca Mesbla,
pretende reativar o grupo com a indenização pedida.